[Resenha] Wicked, por Gregory Maguire

Olá leitores lindos
Quem aí já leu o clássico Mágico de Oz? Se você não leu, meu amor, EM QUE MUNDO VOCÊ VIVE?

Mas! Se você não conhece a história das Bruxas de Oz, você pode conhecer a história de Elfaba. Vamos conhecer?

Image and video hosting by TinyPic¤ SINOPSE ¤
Você nunca mais vai enxergar Oz da mesma forma.
Quando Dorothy se vê diante do desafio de derrotar a Bruxa Má do Oeste, no clássico Mágico de Oz, vemos a história se desenrolando pelo lado da heroína. Mas e a história de sua arqui-inimiga, a misteriosa bruxa? De onde ela surgiu? Como se tornou tão perversa?
Em Wicked, Gregory Maguire revela tudo isso por meio de um mundo fantástico tão rico e intenso que você nunca mais vai olhar para Oz da mesma forma. Viajando por uma terra encantada, descobrimos todos os detalhes da história dessa garota de pele verde que cresce em meio a desafios e preconceitos, até se tornar uma bruxa infame – uma esperta, irritadiça e incompreendida criatura que desafia todas as noções sobre a natureza do bem e do mal.
Recriando com riqueza espantosa o mundo de Oz, este livro conduz o leitor à inesquecível estrada de tijolos amarelos, atravessando um mundo fantástico repleto de conflitos e transformando de maneira surpreendente a reputação de um dos mais sinistros personagens da história da literatura.

¤ RESENHA ¤
Em Wicked conhecemos Elfaba, ou “Bruxa Má do Oeste”, como muitos conhecem, uma menina insegura, inteligente, mas que foi rejeitada tanto pela mãe e pelo pai logo ao nascer. Como a menina não chegou a chorar no seu nascimento, as parteiras pensaram até em matá-la, mas o medo foi tanto que elas fugiram para o mais longe possível da criança. Mas realmente uma coisa MUITO estranha acontecera: a menina nasceu verde! (Eu também iria sair batida correndo, fato haha).

Não apenas a sua cor esverdeada, ela tinha dentes muitos afiados que poderiam cortar qualquer coisa. Como já tinham tido uma babá, ninguém melhor para cuidar da menina do que ela, já que achara super fofa. Mas as coisas não ocorreram muito bem nas semanas que seguiam, pois a cada dia que passava, a menina tornava-se cada vez mais uma aberração.

Temos durante o começo do livro, tudo que a menina sofria. A infância sozinha e menosprezada por todos a deixava com mais certeza que ela era um castigo de Deus. Até sua roomate (colega de quarto), Galinda, uma menina muito da mimada e metida a desprezava como se simplesmente não existisse. Como em qualquer colégio, passou a ser chamada Elfinha – então imagina como a menina era ogra mesmo – e para ter alguma participação e reconhecimento, ela começa a se interessar por política e ciência, chegando mesmo a estudar sobre animais. Mas não são animais comuns como estes que temos em casa, mas sim animais que falam e que raciocinam como os seres humanos. Para ser ainda mais estranha, Elfaba cria um projeto para que esses animais sejam tratados como habitantes locais, e que eles façam parte da sociedade.

“Havia ódio demais no mundo, e amor também “

Nesta loucura, temos uma morte um tanto quanto suspeita encima da diretora, a Madame Morrosa. E, para sair desta situação, Elfaba decide sair da escola e começa a viver escondida e, após seu crush ser morto pelo Mágico, ela se junta a um grupo de monjas para poder se recuperar da sua perda e ajudando ao próximo. O livro continua mostrando o processo de transformação na Bruxa Má do Oeste, e mostra a quantidade de obstáculos que ela tem que enfrentar, através de problemas que são muito comuns nos dias de hoje. Preconceito, religião e a politicagem completamente corrupta – me identifiquei bastante com essa parte da política, porque o Brasil é ninja nesse assunto.

Acredito que Gregory Maguire acabou se perdendo um pouco na parte em que Elfaba estava na faculdade, pois ele deixou alguns personagens secundários muitos soltos, sem ao menos mostrar uma relação direta quanto a personagem principal. Mas em momento algum isso atrapalhou a leitura, me surpreendendo a cada nova página. Pensei que, por ter quase 500 páginas, eu achei que demoraria muito para terminar, mas pude lê-lo em apenas três dias sem a afobação de termina-lo rápido. Fluiu maravilhosamente bem e pude me deliciar com essa história com uma fantasia muito doida, mas que me conquistou. E agradeço MUITO a galera da LeYa nos presenteado com esse livro lindo e com essa capa matadora! 

Avaliação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ 5/5

Compre o livro e ajude o Não Leia! sem pagar nada a mais por isso!
SARAIVA — AMAZON

Postado por: Paulinha C.

Anúncios

2 comentários sobre “[Resenha] Wicked, por Gregory Maguire

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s