[Resenha] Todo Mundo Vê Formigas, por A. S. King

Olá, pessoal!!!

Venho hoje trazer a resenha desse livro que foi debatido no Clube do Livro da Gutenberg semana passada no Rio de Janeiro. Esse é um daqueles livros que você diz: Nunca julgue um livro pela capa!!

Espero que vocês também tenham a oportunidade de ler essa história.

1421-20161014093208Título: Todo mundo vê formigas: todo mundo tem algo a dizer

Autor: A. S. King

Editora: Gutenberg, 2016

237 páginas

*SINOPSE*

“A 1ª coisa que você precisa saber é que tudo o que eu fiz foi uma pergunta idiota. A 2ª coisa que você precisa saber é que essa pergunta idiota me trouxe muitos problemas com Nader McMillan, o cara que faz bullying comigo desde que eu tinha 7 anos. E uma semana atrás ele pegou bem pesado comigo. Foi aí que eu comecei a ver formigas. A 3ª coisa que você precisa saber é que meu avô Harry desapareceu durante a Guerra do Vietnã e nunca foi encontrado. Então, todas as noites, eu tento resgatá-lo da sua prisão na selva em meus sonhos. Mas nunca consigo. A 4ª coisa que você precisa saber é que minha mãe é uma lula e meu pai, uma tartaruga. Ela tenta afogar os seus problemas nadando o dia todo em uma piscina pública, e ele nunca está por perto e desaparece dentro da casca no primeiro sinal de confronto. Então, se juntarmos Nader McMillan, a minha pergunta idiota, vovô, e tudo o mais na minha vida, somos só eu e as formigas.”

RESENHA

Lucky Linderman, um garoto de 15 anos, vivencia o ensino médio com algumas batalhas pessoais a serem vencidas.

Seu pai é chefe de cozinha de um restaurante da cidade de Frederickstown passando muito tempo fora de casa e sua mãe é dona de casa viciada em natação e portanto adora uma piscina onde ela pode a qualquer momento nadar pelo tempo que precisar.

Lucky sofre bullying de seu colega de escola Nader McMillan desde criança mas sempre se calou devido ao fato do pai de Nader ser um advogado e todos nunca culparem seu filho de nada. Hipocrisia a gente vê por aqui. Por isso, as coisas ruins que aconteciam eram jogadas nas costas de Lucky. Em contrapartida, Lucky desde criança sonha com o avô que foi servir na Guerra do Vietnã mas nunca foi encontrado. Nos sonhos, Lucky consegue ser um garoto forte que tenta salvar seu avô e trazê-lo para casa.

“- Você tem amigos? – Mais ou menos. Não muito. Eu tinha o Danny. – O que aconteceu com ele? – Nader fez ele ficar contra mim. – Mas esse Nader está garantindo o lugar dele no inferno, meu avô diz. – Você já falou com algum adulto sobre esse moleque? – Todo mundo tem medo do pai dele. – Mas por quê? O pai dele é um louco ou coisa assim? – É um advogado. – Hmm, ele bufa. – E o seu pai? Ele não pode conversar com esse tal advogado? Tenho até vergonha de responder essa pergunta.”

A história começa a ficar pesada mesmo quando Lucky resolve escrever um trabalho de pesquisa da disciplina de Ciências Sociais com a seguinte pergunta: “Se você fosse cometer suicídio, qual método escolheria?”. Segundo ele, o 10 já estava garantido. Todavia, ele não contava que sua professora iria procurar a orientadora do colégio dizendo que talvez ele estivesse pensando mesmo sobre cometer suicídio. E aí, vieram seus pais e os terapeutas preocupados com sua situação. Gente!!! Era só um trabalho de pesquisa!!! Hello!! Lucky somente ria das perguntas dos terapeutas achando graça de todas elas. Com isso, todos ficam alertas em relação a Lucky com medo  de alguma atitude estranha ser tomada por ele.

Até que em um dia de suas férias, Nader McMillan age de tal forma que a mãe de Lucky percebe que precisa afastar o filho da cidade e planeja visitar seu irmão Dave que mora em Tempe, no Arizona, com a esposa Jodi. Nesse novo ambiente, Lucky percebe que toda família tem seus problemas e que, portanto, a sua não é anormal.

A. S. King consegue nos mostrar através de cada cena do livro o assunto que ela deseja abordar. Os sonhos com o avô nos mostram a forma que Lucky acha para fugir de sua realidade. A relação sem diálogo que existe entre os pais dele nos mostra que uma relação assim não é saudável. As atitudes negligentes dos personagens em relação a Nader nos mostram como virar a cara para os problemas dos outros é mais fácil do que tentar solucioná-los. E as formigas, que são vistas por Lucky desde a ação mais cruel de Nader com ele, representam o seu subconsciente ou o amigo que Lucky tanto precisou mas não teve a seu lado.

“Então eu lembro do meu avô e fico pensando por que será que sonho com um homem que está a quase 20.000 quilômetros longe de mim. Isso faz eu me perguntar: por que eu me importo tanto com pessoas que estão longe de mim?”

Quando eu vi o título do livro, logo pensei: Formigas?? Odeio formigas!! Mas o subtítulo me fez perceber que ali havia uma metáfora e que a explicação dela estava na história e que eu precisava ler o livro para entender. E ao começar a ler, percebi que o bullying seria um dos temas abordados na história. Fiz a conexão prontamente com o livro Os 13 porquês, claro. Entretanto, as histórias só tem isso em comum: o tema bullying.  Lucky talvez tenha tido a oportunidade que Hanna não se deixou ter: a oportunidade de olhar em volta de si mesmo e ver que o mundo não é perfeito.

Bonitoooos  e bonitaaaas!! Recomendo demais esse livro! Está na minha lista de livros construtores de caráter, de personalidade. Um livro que ajuda as pessoas a refletirem em suas atitudes.

Boa leitura e bibliobeijos!!!

Postado por: Bella.

Anúncios

2 comentários sobre “[Resenha] Todo Mundo Vê Formigas, por A. S. King

  1. Oi Bella!
    Esse livro é bastante polêmico, não é mesmo? Eu confesso que a capa também não me estimulou mas pela sua resenha já deu para perceber que é bem explicativa. É legal ver cada vez mais livros que nos fazem pensar no que está acontecendo ao nosso redor.
    Bom… ele tá na minha lista. De preferência vou ler quando estiver de ressaca literária, assim me fará parar de pensar na última história que li e me fará pensar em tudo que acontece ao nosso redor.
    Nada como uma boa história para nos puxar de volta a realidade, não é mesmo?
    Parabéns!
    Abraços literários

    Curtir

    • Isso mesmo, Monique!! Ótima opção para refletirmos um pouco sobre as nossas atitudes e as consequências que elas podem gerar. Depois de ler conta pra gente o que achou do livro.
      Bibliobeijos. 🙂

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s